a a a
>> voltar
 
 

TRANSFUSÃO DE SANGUE EM TESTEMUNHA DE JEOVÁ AINDA É TEMA POLÊMICO NA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE, REVELA PESQUISA DA USP

TRANSFUSÃO DE SANGUE EM TESTEMUNHA DE JEOVÁ AINDA É TEMA POLÊMICO NA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE, REVELA PESQUISA DA USP



91% dos médicos optam pela transfusão de sangue em pacientes testemunhas de Jeová, apesar de o ato desencadear para comunidade testemunha de Jeová uma grave violação dos preceitos religiosos que tem profundas conseqüências que vão desde a perda da vida eterna até o a possibilidade de desassociação da comunidade.





Recente estudo defendido na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), concluiu que, dos 48 médicos entrevistados, (91,7%) afirmou que optaria pela transfusão em pacientes testemunhas de Jeová, mesmo sem seu consentimento por acreditarem que salvar a vida do seu paciente é o principal compromisso. A transfusão de sangue para uma testemunha de Jeová pode significar a suspensão de seus privilégios religiosos, passando pela censura pública, até a possibilidade de desassociação da sua comunidade. Esta e outras conclusões estão expostas na pesquisa “Bioética e Crença Religiosa: Estudo da Relação Médico-Paciente Testemunha de Jeová com Potencial de Risco de Transfusão de Sangue” que se tornou tese de doutorado da psicóloga Graziela Zlotnik Chehaibar, defendida no Hospital das Clínicas, em São Paulo. O foco deste estudo é analisar o impasse da relação entre médicos e pacientes testemunha de Jeová diante da necessidade de realizar uma transfusão de sangue e de que maneira se dá a resolução desse conflito. Os pacientes impõem limites para o tratamento em função de suas crenças.



A tese discorre sobre duas situações opostas: de um lado, estão os algumas leis que falam em respeito a crença religiosa , dignidade humana e autonomia para consentir ou recusar procedimentos médicos ; de outro, os médicos seguem os princípios fundamentais do Código de Ética Médica e leis que permitem o médico a agir sem o consentimento do paciente em iminente perigo de vida . Como resolver este impasse num iminente perigo de vida?



O médico precisa negociar e tomar decisões em situações extremas sobre a vida e a morte. Essa decisão se contrapõe à objetividade que busca a cura do físico sem incluir adequadamente as necessidades espirituais deste paciente na interface com a saúde. No entanto, existe uma busca genuína dos médicos para respeitar a autonomia do paciente evitando a transfusão de sangue. Os médicos buscam as técnicas alternativas indicada para evitar que os pacientes Testemunhas de Jeová sejam transfundidos. Porém quando percebem que a transfusão é o único recurso para salvar a vida optam por fazê-la, pois é entendida pelo médico como beneficência.



As Testemunhas de Jeová são conhecidas por não aceitar transfusão de sangue, pela pregação pessoa-a

-pessoa, bem como seu envolvimento com a literatura e em programas de assistência social. Para ser membro o indivíduo deve ser aprovado por seus pares, cumprir horas de dedicação ao ministério, manter um compromisso de fidelidade com o reino de Deus, não pode integrar partidos políticos, nem fazer parte do serviço militar, evitando qualquer tipo de interesse civil.



Informações para imprensa:

Lítera – Construindo Diálogos / www.litera.com.br

Unidade Relacionamento com Imprensa

Maria Luiza Paiva: luiza@litera.com.br

Atendimento – Juliana Sousa: julianasousa@litera.com.br

Telefone: 55 11 3673 7270

Novembro/2010